-+

Mulas Humanas no Narcotráfico Internacional

Mulas Humanas no Narcotráfico Internacional
Passe o mouse e veja detalhes
10% Off

Mulas Humanas no Narcotráfico Internacional

Avaliar
Novidade

De R$ 260,00
Por:
R$ 234,00
Economize  R$ 26,00

R$ 210,60 à vista com desconto Boleto - Yapay
ou 10x de R$ 23,40 Sem juros
 

Autor(es): Manoel Francisco de Campos Neto; Jorge Paulete Vanrell
Edição: 1
Ano: 2020
Paginação: 736
ISBN: 9786555260441
Acabamento: Brochura
Formato: 17x24

Sinopse: É rara a felicidade de ver uma obra como a presente, a qual condensa o fruto de um sistemático e árduo trabalho de pesquisa e estudo analítico, lastreado com a credibilidade e as décadas de experiência dos autores no tema.
A obra nos remete a uma inflexão sobre a problemática das drogas, a qual está inserida em todas as sociedades modernas e inexoravelmente associada ao recrudescimento da violência e à criminalidade organizada.
Nossa nação, de dimensões quase continentais, divisa fronteiras com dez outros países, sendo alguns deles tidos como os maiores produtores de cocaína e maconha do mundo. Este contexto geográfico, por si só, torna bastante complexo o cerceamento da entrada de drogas em nosso país.
Há cerca de pouco mais de uma década, o Brasil ainda era considerado como um país predominantemente de passagem para a cocaína produzida principalmente nas regiões andinas, sendo nosso território apenas uma rota para a droga alcançar destinos alhures.
Contudo, estudos demonstram que atualmente o Brasil é tido como o maior consumidor de drogas da América Latina e vem apresentando um crescente consumo de cocaína e crack, podendo-se citar nesse sentido os recentes Relatórios do Escritório de Crimes e Drogas da ONU (United Nation Office on Drugs and Crime-UNODC).
Neste trabalho, os autores percorrem brilhantemente o caminho, trazendo a lume essa problemática por meio de uma narrativa técnica, precisa e muito bem embasada.
Com sua longa atuação profissional como Perito Oficial Médico Legista, o Dr. Manoel Francisco de Campos Neto, juntamente com o internacionalmente renomado Prof. Dr. Jorge Paulete Vanrell, conseguiram agregar à obra suas vivências na Medicina Forense, resultando num fidedigno retrato sobre a atividade do tráfico de drogas partindo do seu ponto mais nevrálgico, a fronteira oeste do Mato Grosso, tida como uma das principais portas de entrada da cocaína em nosso país. Ainda numa abordagem mais ampla, tratam da vulnerabilidade de nosso território nacional de forma pungente, descortinando essa questão sob a ótica acadêmica e prática, apresentada como ponto que transcende os aspectos de apenas segurança e saúde públicas, constituindo ameaça à nossa própria soberania.
Assim, a presente obra abarca um valioso material que auxiliará na percepção para o tema ao público em geral, indo de legisladores a estudantes, de médicos a aplicadores do Direito, de integrantes de forças de segurança a acadêmicos.
Em suas páginas o leitor encontrará um trabalho detalhado, apoiado em extensa pesquisa e singulares conhecimentos empíricos, cujo enfoque ultrapassa todas as concepções simplistas, ilustrando como a gestão do conhecimento é fator essencial para a efetiva compreensão da dimensão do problema e para a eficácia das ações e políticas a serem adotadas.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características



    MANOEL FRANCISCO DE CAMPOS NETO
    Formado pela Faculdade de Medicina de Valença – Rio de Janeiro - em 1975 (3ª Turma). / Perito Oficial Médico Legista (Concursado) / Tráumato-Ortopedista (Concursado) da Equipe de TRAUMA e EMERGÊNCIA do Hospital Regional de Cáceres – Mato Grosso – Brasil.

    JORGE PAULETE VANRELL
    Médico (formado pela Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto/SP, em 1977) / Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais (formado pela Faculdade de Direito Riopretense, São José do Rio Preto/SP, em 1981) / Licenciado em Pedagogia (formado pela Faculdade Riopretense de Filosofia, Ciências e Letras de São José do Rio Preto/SP, em 1981).

    E aí, vai levar?